Mundo pós-pandemia: E depois que tudo isso acabar, doutor?

28 ago, 2020 | Blog

Como será o mundo pós-pandemia? Um bom diagnóstico psiquiátrico jamais é feito somente analisando a foto do momento em que vivemos. Não é um corte transversal do tempo. Para entendermos os fenômenos mentais precisamos viajar no tempo. Relembrar o passado para entender o presente e projetar o futuro. Fazendo assim erraremos menos os diagnósticos e prognósticos.

Como psiquiatra, todos os dias, ouço a mesma pergunta: ‘Dr. Como será o mundo depois que tudo isso acabar? Muitos pacientes querem saber: ‘Como as pessoas vão sair desse momento difícil que vivemos?’ Afinal, o que o mundo pós-pandemia reserva para a Humanidade?

Enquanto bom psiquiatra, respondo: Depende! Vai depender do seu passado e do seu presente! Como você estava antes da pandemia? Você, especificamente, não sei, mas o Brasil era o país com o maior número de transtornos de ansiedade do mundo. O segundo país do mundo em consumo de calmantes. O país mais depressivo da América Latina e o quinto do mundo. Ou seja, já não vínhamos bem.

Pablo Vinicius, médico e
neurocientista, analisa mundo pós-pandemia

(Foto: Divulgação)

Todos já vivemos no limite do suportável

Afinal, as pessoas já estavam vivendo no limite do suportável. Muitos utilizando os medicamentos psiquiátricos não para tratarem uma doença, mas para se anestesiarem do dia a dia e dia e darem conta de suas vidas difíceis. Esse era o passado de muitas pessoas. Se você não se vê nesse grupo, lhe faço algumas perguntar: ‘

Você estava feliz? Tinha um estilo de vida saudável? Você dormia bem? Era praticante de atividade física regular?’

Pois saiba que as respostas a essas perguntas é que vão nos ajudar a entender o presente e o futuro. O isolamento social funcionou como uma lente de aumento das emoções. Assim, se você já não estava bem, o confinamento apenas piorou seus sentimentos anteriores.

Provavelmente, você ficou mais ansioso e tenso. Com isso, a qualidade do seu sono piorou. Seu apetite aumentou e, com ele, seu peso. E assim entendemos o porquê de tanto sofrimento mental neste momento. Está sendo apenas uma exacerbação da péssima qualidade de saúde mental que nós, enquanto sociedade, estávamos antes da pandemia.

 

Caos, mesmice ou transformação no mundo pós-pandemia

E o depois? Depende! Vai depender de cada um de nós. Dependerá certamente do que você vai fazer neste momento da sua vida. Aqui temos três destinos para a humanidade: o caos, a mesmice ou a transformação!

Se não fizermos nada, se continuarmos acreditando que a competitividade é melhor que a cooperação, que a vaidade é melhor que a simplicidade, estaremos perdidos. Nosso mundo pós-pandemia será um caos emocional.

Certamente, a pandemia dos transtornos emocionais será muito maior que a pandemia do vírus, inclusive na letalidade. Se o ser humano não mudar, ele não vai ter condições psicológicas de enfrentar o que vem pela frente. Por isso será o caos.

A segunda opção é a mesmice. Aqui estão as pessoas que vão resistir bravamente à pandemia. De fato, vão mudar alguma coisa em suas vidas. Mas será por pouco tempo. Posteriormente, com o mundo retornando à sua normalidade, elas vão voltar a se comportar como antes. Ou seja, nada mudará nesse caso.

A terceira opção é a transformação. Nesse grupo de pessoas estão aqueles que vão sair mais fortes que entraram. Essas pessoas estão, neste momento de isolamento e intenso sofrimento, refletindo suas próprias vidas. Analisando o passado. Percebendo onde estavam errando. O que havia de excesso. O que estava faltando.

Como iniciar um processo de transformação interna

Portanto, à medida que percebem essas questões em suas vidas, elas começam um processo de transformação interna. Passam a cultivar novos princípios e valores.

Então, é exatamente esses novos conceitos que vão nortear o seu futuro! Um futuro menos acelerado, com menos desejos, mais cooperação, mais simplicidade, menos ansiedade, mais tempo de sono.

No entanto, no mundo pós-pandemia essas pessoas vão ter parar de correr atrás do vento! Vão entender que elas só têm um tempo: o agora. Afinal, o que o futuro nada mais é que a consequência do agora.

Enfim. Está aí em suas mãos! Afinal, para onde iremos?

*Pablo Vinicius é médico psiquiatra e neurocientistacom especialização em Saúde Mental pela Fiocruz e em Medicina do Sono pela Associação Brasileira do Sono. É mestre em Ciências da Saúde, com atuação em Neurociências, pela Universidade de Brasília (UnB). Possui experiência internacional na Universidade de Columbia (EUA), onde realizou o Fellowship em Estimulação Magnética Transcraniana. Desde 2012 é professor universitário do curso de Medicina da Faciplac (DF) e coordena o Internato em Saúde Mental.

A cada segunda-feira, vamos falar de técnicas para melhorar o desempenho do seu cérebro e, consequentemente, sua qualidade de vida.